Para Refletir

 

Comunicados

Informação 1: Links para novas postagens e para repostagens (novos links), você pode conferir na coluna a Direita em Acervo Discos de Umbanda.

Informação 2: com exceção das postagens (apontadas) no "Acervo Discos de Umbanda", todas as outras possuem links ou do Rapidshare, ou do 4Shared ou Megaupload, portanto, ainda não sabemos quais estão funcionando. PS: todos esses links serão trocados.

Informação

Comunicado:

Uma vez que o protetor de link que estava sendo utilizado apresentou problemas, informamos que passaremos a disponibilizar os links sem o protetor.

Os links das postagens a partir de 01/02/13, já estão sem protetor.

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Louvação aos Orixás ''José Ribeiro O Rei do Candomblé e os Ogans'' : José Ribeiro


01- Exuria Exú
02- Paóo para um Djagun
03- Oxóssi é Caçador
04- Atotô Meu Pai
05- Saravá o Povo Africano
06- Okolofé Mamãe Oxum
07- Eparrei Mamãe Iansã
08- Louvação a Xangô
09- Rainha do Mar
10- Saluba Nanã Buroquê
11- Salve os Erês
12- Epe Epe Babá
13- Zambi Maleme

Lançamento: 1974, selo: RCA/CANDEN


Nota:
Pela capa já podemos antever o que há no disco. A imagem de uma galáxia nos induz a imaginar uma produção à lá Sérgio Mendes, ou bem que poderia ser um disco de Rock Progressivo, mas não, é o “Rei do Candomblé” em sua mais ousada obra: José Ribeiro realizou uma verdadeira superprodução, mas não uma superprodução qualquer, dessas que se vê hoje nos estádios, organizados pelos evangélicos. Não!! O homem fez uma obra daquelas de dar inveja aos produtores do U2.

Minha gente, esse disco tem orquestra completa, com cordas e metaleira, percussão de inúmeras peças que de ouvido é até difícil de se identificar, tamanho o número de instrumentos. São congas, claves, atabaques, timbales, bateria, etc. etc; São guitarras, violinos, teclados, baixo, coral dos “Ogans”, afinadíssimo (com exceção do próprio José Ribeiro que não era cantor, mas não faz feio).
A captação, a mixagem, os arranjos parecem terem sido feitos para um especial da Rede Globo, tamanha a megalomania da proposta. Um absurdo para a época e mesmo para os padrões de hoje. Com tudo isso, o disco tem a obrigação de ser bom, e é um show de ritmo!! As composições são de Alberto Paz e o auto intitulado “Rei da Umbanda” na época, Tancredo da Silva Pinto prefacia esta bela ousadia faraônica!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Clique no logo e visite

Link Quebrado - clique no logo e informe